Translate

Translate to Arabic Translate to Bulgarian Translate to Simplified Chinese Translate to Traditional Chinese Translate to Croatian Translate to Czech Translate to Danish TTranslate to Dutch Translate to English Translate to Finnish Translate to French Translate to German Translate to Greek Translate to Hindi Translate to Italian Translate to Japanese Translate to Korean Translate to Norwegian Translate to Polish Translate to Portuguese Translate to Romanian Translate to Russian Translate to Spanish Translate to Swedish

Cursos on line

31.8.09

Violencia contra a mulher


No blog: www.pensaurb.blogspot.com que já vinha com a campanha “Doe um sorriso”, faz um paralelo e resolve participar de uma campanha contra violência, o que não deixa de ser um pedido de sorriso. Mas um pedido diferente, um sorriso constante, dentro dos lares e da vida das pessoas.


Venho hoje, por meio desta, escrever sobre violência. E nesta campanha, desejo doar corpo, alma e mente.


Ora, e não somos todos vitimas da violência? Sim caros leitores, somos todos vitimas de certas violências. Quem mora em São Paulo, percebe a violência visual e sonora, sem contar nas tantas outras violências. E é de uma, entre tantas outras, que venho comentar.


É a violência doméstica, íntima. A violência quando se dá dentro de casa, torna-se segredo, é muito raro comentar sobre essa violência, porque se torna comum, rotineiro.


A criança que sofre um abuso, não sabe que é incomum ser abusada. Nenhum de seus colegas comenta a respeito, com o passar do tempo, descobre a discrepância que é, e pela vergonha sofrida, não comenta, não denuncia. É um segredo, é entre ele e o agressor, falar sobre o assunto só reabre uma ferida antiga.


E não apenas casos de crianças, vimos há pouco tempo nosso digníssimo Dr. Abdelmassih ser desmascarado após constantes violências. Mas essa não era doméstica.


Não obstante a esse fato monstruoso, gostaria de compartilhar uma experiência própria: meus pais se separaram muito cedo para mim, e talvez muito tarde para eles, enfim, o caso é que minha mãe resolveu casar-se novamente. Fico feliz que ela tenha recomeçado a vida, o que eu mais quero, e queria na época, é a felicidade dela. Após alguns meses, como é natural, meu padrasto veio morar conosco. Até então não achei ruim, tentei prezar o companheirismo entre nós. Comigo o companheirismo realmente prevalecia, mas aquele homem cometeu uma violência diferenciada para comigo, por vezes que não sei dizer quantas, ele espancava minha mãe. A violência já não era apenas contra ela, era contra mim, me tornou uma criança cheia de medos e traumas. Houve vezes que minha mãe ia para o hospital, outras ela se tratava em casa mesmo. Pergunto-me sempre: que direito ele tinha sobre minha mãe? E que direito ela o deixava ter?


Não sou religiosa, mas por motivos próprios, li um livro chamado “Quem me roubou de mim” do Padre Fabio de Melo, nesse livro ele fala das inúmeras formas de sequestro que uma pessoa pode fazer com outra pessoa. Uma delas é a mais conhecida o sequestro de corpo, mas existe a de alma. Aquele que o agressor aprisiona a outra por medo ou chantagem. Era o meu caso, era o caso da minha mãe.


Certas marcas ficam para sempre. Imagens que eu não vou esquecer, mas não faço delas imagens de lamentações, vejo nelas força para lutar contra a violência doméstica, a violência contra as mulheres.


Vamos quebrar o silêncio!

3 Comentários:

rafael disse...

bom e um assunto muito complicado
dificil de comentar mas e um assunto que nao deve ser colocado em panos quentes violencia domestica e um caso muito serio e qque muitas vezes chega ate em
omicidio muitos psicopatas se difarcam de pais de familia que mora em casas aparentementes normais mas a aprencias enganam: e isso mesmo rapa !!!!!

Altemar Rocha disse...

Felizmente nem todos os casos de violência contra a mulher e a criança terminam em morte.
Porém, aquele que vai matar, o fará se não for denunciado. Sei que a Segurança Pública não dá segurança coisa nenhuma, mas ainda é a única coisa a ser feita: Denunciar sempre.
Talvez, denunciando possa se evitar uma tragédia maior.
Parabéns pela coragem do post.

André Silva - Jornalista e Especialista em Criminalidade e Segurança Pública - andreluizjornalista@hotmail.com disse...

Parabéns pela sua inicativa falar sobre a violência contra a mulher. è uma violência descabida. Ao contrário do que o Rafael disse, no comentário, não é um assunto dificil de se comentar. É um assunto delicado mas fácil de se comentar: NÃO à violência contra a mulher!!
Te convido a visitar o meu blog que trata especificamente desse assunto.

André Silva
www.ogritodeana.blogspot.com

Postar um comentário

Obrigado por dividir conosco seus Pensamentos

De onde vem os Pensadores

Direitos Autorais

Creative Commons License Pensamentos Urbanos esta licenciado por Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License. Todo conteudo pode ser copiado, desde que mencionado a fonte. Obrigado

De onde vem?

http://www.lojadascanecas.com.br/Parceiro.asp?CodParceiro=2108

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO