Translate

Translate to Arabic Translate to Bulgarian Translate to Simplified Chinese Translate to Traditional Chinese Translate to Croatian Translate to Czech Translate to Danish TTranslate to Dutch Translate to English Translate to Finnish Translate to French Translate to German Translate to Greek Translate to Hindi Translate to Italian Translate to Japanese Translate to Korean Translate to Norwegian Translate to Polish Translate to Portuguese Translate to Romanian Translate to Russian Translate to Spanish Translate to Swedish

Cursos on line

22.12.08

As gotas de água que inundam as cidades!

agua10

Depois de Santa Catarina, o Rio de Janeiro e Minas Gerais sofrem com enchentes, deferente de Sta. Catarina que os deslizamentos de terra foram o principal motivo da destruição, Minas e Rio enfrentaram por estes dias o problema das enchentes. Em minas ja são 59 cidades atingidas por rios que subiram mais de 10 metros, para termos uma ideia, teve lugar que a água subiu 3 metros acima das calçadas, e onde esta o problema?

Qual a solução para estas catastrofes naturais? claro que o aumento populacional destes municipios, e a urbanização tem contribuido e muito para que o "troco" da natureza se faça, quero dizer que com um numero maior de pessoas em uma cidade, siguinifica que é maior a proporção de lixo jogado nos rios, o naturalmente volta para dentro das casas em enchentes como estas que acompanhamos recentemente nos jornais, outra coisa é construir casas nas margens dos rios, acabando com as margens, retirando dalí uma mata auxiliar que serve exatamente para conter o aumento das águas. Mais seria injusto apenas apontar os erros de nossa sociedade sem conciência ecológica, de nossa sociedade que menospresa e despresa a natureza altamente bela que existe em nosso Brasil, seria injusto apontar unica e exclusivamente estes fatores como causadores de enchentes, claro que falta de planejamente e falta de conciência ecólogica contribuem e muito para este tipo de catástrofe, mas é claro a natureza, o aquecimento global também, tem sua parcela de culpa pelos acontecidos.

enchente01

E ao contrario do que podemos imaginar, a justiça foi feita, não que acho justo milhares de familias perderem tudo, que pessoas morram por causa dessas catastrofes, mas se olharmos a fundo, de forma ampla e livres de uma emoção pelas vitimas dessas horiveis circunstâncias, veremos que estamos apenas colhendo o fruto de nossos atos. Eu vivo em São Paulo, para ser mais exato na zona norte de Sampa, e quando era pequeno, quase todas as chuvas mais fortes que tinham o corrego que tem na avenida perto da minha casa enchia, e transbordava, causando enchentes que tiravam tudo de familias que moravam nas proximidades da avenida, ai a prefeitura, em conjunto com o governo do estado, canalizaram o rio, aterrando uma parte dele, e na outra parte onde este corrego desagua no Rio Tiête eles deixaram com barras de conteção, o que impede a aguá de trasnbordar, claro que pela canalização o leito do corrego baixou drasticamente, mas a alguns anos, houve um episódio onde as chuvas foram tão fortes que encheram aquele corrego a tal ponto que não teve como a agua vazou, e não somente naquele corrego, mas também, no temido Rio Tiête, causando um transtorno na cidade imenso, eu lembro que fique mais de 4 horas parado no transito, porque carro nenhum passava pela ponte do limão sentido barra funda. E onde quero chegar com isso, o que devemos aprender de uma vez por todas?

Que devemos esperar uma catastrofe acontecer para ajudarmos as vitimas? por falar nisso vou procurar as entidades que estão juntando doações para os mineiros e para os cariocas e irei postar aqui, mas iremos esperar pelas proximas?

Imaginem meus caros, se acontecer isso todo mês daqui até o carnaval, 3 meses, 50-60-70 cidades por mês sofrendo com alguma catastrofe natural, daqui até o carnaval quantas pessoas estariam mortas ou feridas? quantas familias não teriam perdido tudo? Logo logo, ninguem mais poderia ajudar ninguem, todos estariamos a merçe dessas situações.

Claro que até agora o texto tem um ar pessimista, mas não é isso. Quero chegar no ponto em que temos que arregassar as mangas, mudar alguns de nosso cotidianos costumes, vamos lá quem nunca jogou um papel de bala na rua, afinal, todo mundo joga, porque não? jogue um agora, ai do lado do seu computador! faça isso com papel de bala, cigarro, latinhas de refrigerante, restos de frutas, saquinhos de plástico, faça isso por uma semana e veja se pelo menos alguns ratinhos de estimação não aparecerão? quantas baratas não te adotariam como dono?

Entende que pequenos atos fazem grandes revoluções? se cada um de nós fizer um pouquinho que seja, imagina a diferença que seria.

Eu na minha adolecencia, tinha uma ótima desculpa, eu jogava papel o meu lixo no chão e se fosse repreendido, eu dizia que meu ato gerava empregos, que se ninguem jogasse nada no chão, a prefeitura iria demitir os garis e varredores de rua, grande engano meu. Um dia vi um varredor de rua, o cara varreu o pó que juntava na avenida, que saia dos telhados das casas, que saia dos escapamentos dos carros, das solas de sapato das pessoas que passavam, e o cara foi varrendo, puxava pó e bitucas de cigarro, papeis de balas, até que uma pessoa que estava no ponto de ônibus e viu que o cara estava ali trabalhando, varrendo umas duas vezes cada pedacinho, com toda dedicação, jogou um papel, atras do varredor, bem aonde ele tinha acabado de varrer.

Meu! o cara podia jogar na cesta de lixo do próprio varredor, que estava exatamente do seu lado, ou então era só jogar na um pouco mais pra frente, onde o varredor iria varrer, o que daria no mesmo, mas não ele jogou bem no meio, entre a cesta e o varredor, onde o cara tinha acabado de varrer, é um filho da puta, ainda fez cara de pouco caso.

Eu não resisti, olhei indignado para ele, me abaixei e peguei o papel que ele jogou no chão e joguei na cesta de lixo (que era o lugar do papel). Ele olhou pra mim com espanto, como se nunca tivesse visto alguem tomar esta postura, e eu encarei o porcão mas não soltei nenhumas das palavras que passaram na minha cabeça naquele momento.

O meu "buzão" chegou pouco depois, eu subi rápido, mas antes de entrar deixei que uma mulher entra-se (não, ela não era super gostosa ou algo do genero, era apenas alguem que deixei subir primeiro), me dirigi ao cobrador e depois aos bancos do fundo, para minha surpresa adivinha quem que senta do meu lado? Aquele filho da puta!

Depois de um tempo onde minha cabeça tinha mais palavrão que as frases da Dercy, o cara me indagou no porque eu peguei o papel que ele jogou, não foi em tom de repreensão, mas sim de desculpas. Ele disse algo do genero: - Desculpa, mas porque não deixou com que o varredor recolhe-se o papel, afinal, este é o trabalho dele- eu pensei por alguns momentos e respondi : - Porque, o cara deve trabalar feito um filho da puta o mês inteiro, e, que na favela onde ele mora, todos devem trata-lo como ótario e que eu não quero fazer o mesmo com ele, pois nem o conheço.-  fiquei calado e segui minha viagem, depois desse dia, fiquei indignado com as minhas posturas, eu agia feito aquele trouxa, achando que estava contribuindo com o varredor, mas estava apenas aumentando o trabalho dele, e que ele deveria ganhar mais pra limpar o que nós sujamos.

Alguns meses depois no mesmo ponto, estava eu esperando a minha "lata de sardinha" (ônibus) e esta lá o cara com um muleque de uns 5 anos mais ou menos, ele estava dando salgadinho para o muleque e quando acabou o salgado, ele pegou da mão do muleque e jogou na lixeira. Surpreedente, o cara jogou o plástico no lixo, seria porque não tinha o varredor?

Demorou quase meia hora, pro buzão chegar, e dessa vez ele subiu primeiro, e sentou-se em um banco com o muleque, eu acabei viajando em pé, mas me posicionei do lado dele, e curioso houvi atentamente a conversa dele com o muleque, não falaram nada demais, e nada que tenha haver com o texto, mas eu em determinado momento interrompi a conversa dos dois e elogiei por ele ter jogado o saco de salgadinho no lixo, que aquilo era um exemplo ótimo para o filho dele. E ele sorriu para mim e disse que um dia ele tomou um puchão de orelha de um garoto no ônibus, e que ficou super envergonhado por ter jogado o papel no chão, que decidiu mudar sua postura.

Moral da história: As vezes temos que nos indignar com os outros para aprendermos algo importante, e, as vezes temos que tomar puxões de orelha e nos setirmos envergonhados para mudarmos de postura.

Agora o que esta estória toda tem haver com as enchentes de minas, do rio e os deslizamentos de santa catarina?

Sim a natureza esta nos dando puchões de orelha, e temos que nos sentir envergonhados e mudarmos de postura, não somente Catarinenses, Mineiros e Cariocas, mas sim todos os Brasileiros!

E até lá, deixemos com que imagens de enchentes, deslizamentos de terra, e pessoas sofrendo façam parte diariamente dos noticiarios.

enchente1965

Faça disso o seu Pensamento Urbano

3 Comentários:

Milla * disse...

Narizinho: A parte do OBS, em que eu digo obrigada, faz parte do post, mas não do texto. Por isso está no feminino, e eu até coloquei em itálico pra diferenciar...

Narizinho disse...

Milla: saquei... mal ai entaum. hehe, eh que eu naum tinha lido o post inteiro, tava passando rapidamente e soh queria saber qual era o seu heteronimo. =P erro meu

Elaine disse...

Amei o artigo!!! Parabéns, e como ja te disse , vc colaborou para um mundo melhor!
é isso aí!
O Blog está ótimo!
Bjaum

Postar um comentário

Obrigado por dividir conosco seus Pensamentos

De onde vem os Pensadores

Direitos Autorais

Creative Commons License Pensamentos Urbanos esta licenciado por Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License. Todo conteudo pode ser copiado, desde que mencionado a fonte. Obrigado

De onde vem?

http://www.lojadascanecas.com.br/Parceiro.asp?CodParceiro=2108

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO